Posso ser seu filho?

Muitas vezes descemos a rua para ir ver o Estoril-Praia no António Coimbra da Mota. Acho que todos fomos do Estoril mesmo antes de ser do nosso Sporting. E quando o futebol se jogava a boas horas da tarde, lá estavam os putos da praceta à porta do estádio.

Uma vez que os nossos Pais não nos acompanhavam, tínhamos que nos arranjar com pais de circunstância de 15 em 15 dias ou sempre que desse para ir à bola. Os sócios vinham por aí abaixo, depois de 2 ou 3 minis na taberna e ali mesmo, a uns metros da entrada, eram interceptados por nós: ‘ Posso ser seu filho? ‘ era o pedido que fazíamos para eles nos fazerem entrar. Algumas vezes até víamos os jogos na bancada dos sócios. Outras, no famoso peão canarinho,em pé atrás da baliza. Muitos progenitores tivemos e tantas vezes os ‘ Portas ‘ nos deixaram entrar. Nessa idade da inocência ( ou de alguma inocência ), acreditávamos que eles não percebiam o truque. Claro que percebiam, mas deixavam-nos entrar.

E víamos o futebol à tarde. A horas. Ainda a tempo de ir fazer uma réplica de um jogo na praceta. Eu, o Rui, o Luís e o Cazé ( ui o Cazé… ). E a bola era de tal maneira a horas, que ainda dava para lanchar em casa. A correr claro, pois ainda havia muito caútchu para chutar. A menos que a bola tivesse ganho asas e voado para o quintal da Matilde ( ui, a Matilde, avó do Cazé… ) e não voltasse ao campo, perdão, estádio. Tantas vezes a chincha foi cortada em duas metades, mesmo considerando o facto de ser a bola do neto. Outras vezes, aos gritos, chamava o Cazé para lanchar a meio do jogo, no melhor dele e isso era coisa para nos arreliar a todos. Feitios. Por ser como era ( e esse cromo fica para outro dia ), chocava com muita frequência com o meu companheiro de infância. E, juntos num belo dia de Verão, com os restantes Amigos da praceta, quase o matámos… tal não era o feitio herdado da avó. Mas, Graças a Deus, as caixas de papelão apararam a queda.

E o ‘ nosso ‘ Estoril volta à 1ªLiga. Confesso que fiquei feliz. Pelas recordações, mas principalmente por Tiago Ribeiro, actual Presidente do Estoril-Praia e que tenho o prazer de conhecer e com quem já conversei algumas vezes. Para além da enorme simpatia dele e de toda a Família Ribeiro, açucarada pelo facto de ser brasileiro, é uma pessoa com imenso nível. Porventura demasiado para o meio.

Contava-lhe eu o quanto fiquei zangado com o Estoril, depois deste se ter vendido ao benfica nos vergonhosos tempos do Damásio, Figueiredo e companhia limitada. Aquela ida ao Algarve e tudo o que se passou antes, durante e depois deste jogo, fez-me detestar o primeiro clube de que gostei. Disse-me ele que isso era passado e que agora, com ele, não haverá mais disso no Estoril. E desta forma simples, honesta e directa, açucarada com aquele sotaque simpático, eis que aqui estou a ‘ gritar ‘ Estooooooril ‘.

E assim, depois do Sporting, estarei a torcer pelo Estoril-Praia. Pelo Tiago Ribeiro e por uma montanha de memórias felizes que, um dia destes, irei revisitar no velhinho António Coimbra da Mota.

Vou falar com o Rui, com o Luís e com o Cazé para irmos à bola e fazermos o mesmo percurso de outrora. Podemos lanchar, mas não jogar a nossa partida de dois contra dois, pois a praceta está cheia de carros. A alternativa era fazer a baliza no portão de uma garagem que ainda tem a marca das nossas bolas já com tantos anos. Também não dá por causa dos carros.

Acho que agora temos que levar os nossos verdadeiros Pais. Aqueles que, Graças a Deus, ainda os têm vivos e proporcionar-lhes uma visita guiada a um dos lugares mágicos da nossa infância.

E sim, levar os nossos filhos.

Dedicado aos Grandes Amigos de Infância Rui Rodrigues, Luís Cáceres Monteiro, Cazé ( ninguém lhe chamava Carlos José ) e também ao Paulo Costa. Aos nossos Pais e todos os Pais. E também ao Tiago Ribeiro, o nosso actual Presidente.

Anúncios

Etiquetas:, , , , ,

About Porta 10A

À direita das coisas, Sportinguista convicto, teimoso quanto baste, inventivo, apaixonado, Pai babadíssimo, sempre em família, sempre com Amigos. Adoro artes em especial a fotografia e a pintura. Gostava de ter sido Arquitecto, mas a matemática era tramada. Depois Jornalista, mas não deu. Adoro escrever. Sobre desporto e política, ou sobre uma coisa qualquer. Cristão, crente em Deus, não pratico porque acho que a melhor relação com Ele é directa. Adoro música e existem canções para todos os nossos estados de alma. E isto tudo, sou eu...

4 responses to “Posso ser seu filho?”

  1. Paulo Costa says :

    Friend, belos tempos, o que era engraçado seria para o Ano ir ver um jogo e um miudo nos perguntar se podia ser nosso filho!!!!
    Obrigado por trazeres estas memórias que já não se vão repetir,
    Só queria acrecentar que às vezes a praceta até tinha relva !!!!!!!
    um abraço

  2. Porta 10A says :

    Era giro, sim senhor! Um miúdo chegar ao pé de nós e pedir-nos isso. Acho que chorava de alegria!

    Essa parte da história fica para o post ‘ Praceta Futebol Clube ‘ que eu já tenho idealizado e que apenas falta colocar no ‘ papel ‘…

    Abraço

  3. Rui Almeida Rodrigues says :

    BRUTAL !!!!!!!

  4. Porta 10A says :

    Txs Mate. Uma parte feliz da nossa vida e história.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: